Menssagem de erro

  • Notice: Trying to get property of non-object em espm_blog_banner_post_node_access() (linha 30 de /var/www/html/espm/portal/www/sites/blog/modules/custom/espm_blog_banner_post/espm_blog_banner_post.module).
  • Notice: Trying to get property of non-object em espm_blog_banner_post_node_access() (linha 30 de /var/www/html/espm/portal/www/sites/blog/modules/custom/espm_blog_banner_post/espm_blog_banner_post.module).
  • Notice: Trying to get property of non-object em espm_blog_banner_post_node_access() (linha 30 de /var/www/html/espm/portal/www/sites/blog/modules/custom/espm_blog_banner_post/espm_blog_banner_post.module).
  • Notice: Trying to get property of non-object em espm_blog_banner_post_node_access() (linha 30 de /var/www/html/espm/portal/www/sites/blog/modules/custom/espm_blog_banner_post/espm_blog_banner_post.module).
  • Notice: Trying to get property of non-object em espm_blog_banner_post_node_access() (linha 30 de /var/www/html/espm/portal/www/sites/blog/modules/custom/espm_blog_banner_post/espm_blog_banner_post.module).
  • Notice: Trying to get property of non-object em espm_blog_banner_post_node_access() (linha 30 de /var/www/html/espm/portal/www/sites/blog/modules/custom/espm_blog_banner_post/espm_blog_banner_post.module).
  • Notice: Trying to get property of non-object em espm_blog_banner_post_node_access() (linha 30 de /var/www/html/espm/portal/www/sites/blog/modules/custom/espm_blog_banner_post/espm_blog_banner_post.module).
  • Notice: Trying to get property of non-object em espm_blog_banner_post_node_access() (linha 30 de /var/www/html/espm/portal/www/sites/blog/modules/custom/espm_blog_banner_post/espm_blog_banner_post.module).
  • Notice: Trying to get property of non-object em espm_blog_banner_post_node_access() (linha 30 de /var/www/html/espm/portal/www/sites/blog/modules/custom/espm_blog_banner_post/espm_blog_banner_post.module).
  • Notice: Undefined variable: crumbs em blog_espm_breadcrumb() (linha 27 de /var/www/html/espm/portal/www/sites/blog/themes/blog_espm/template.php).

Espremendo os dados

Autor: Simone Ávila
22 ago
O cientista de dados Ricardo Cappra e o diretor e executivo regional da IBM, Marcelo Violento, abordam o Big Data na Aula Inaugural do curso de Administração
Marcelo Violento durante sua fala aos estudantes do curso de Admnistração na ESPM-Sul. Foto: Davi Koteck

Em tempos de Big Data, em que vivemos imersos em um enorme volume de dados que impactam os negócios no dia a dia, é imprescindível entender que o importante não é a quantidade, mas o que as empresas fazem com esses dados. Para pensar e debater sobre como esse movimento se reflete na gestão das empresas, o curso de Administração da ESPM-Sul convidou para sua Aula Inaugural do semestre o cientista de dados Ricardo Cappra – idealizador do Mission Control, um laboratório aberto de visualização de dados para análises sociais em tempo real, localizado na capital gaúcha e pioneiro no Brasil; e o diretor regional da IBM, Marcelo Violento.

A proposta foi reunir depoimentos e experiências de um cientista e de um executivo no encontro Big Data e os Impactos na Gestão das Empresas: para onde vamos?, ocorrido em 11 de agosto na sede da unidade. Um show da banda #Hashtags – composta pelos professores da ESPM-Sul, Diego Pinto (guitarra e voz), Guilherme Paranhos (voz e violão), Nelmar Vaccari (baixo) e Fernando Trein (bateria) – animou a plateia lotada durante a abertura da aula e aqueceu a noite de temperaturas baixas do inverno gaúcho.

À frente de um time de 18 cientistas multidisciplinares, Cappra trabalha com entusiasmo em sua grande paixão: coletar, cruzar, decodificar e transformar dados científicos em algo estruturado para subsidiar o desenvolvimento de estratégias e potencializar a tomada de decisões das empresas. Com um jeito simples e bem-humorado de quem observa o cotidiano das pessoas com atenção e curiosidade e cujo maior desafio é realizar o cruzamento de diferentes dados e interpretar seus significados, o cientista resumiu sua atuação: “Sou da área da tecnologia da informação, meu dia a dia é descobrir o processo de decisão das empresas para coletar informações que possam potencializá-los. Meu trabalho é entregar informação qualificada, organizada e visual. Procuro espremer os dados a fim de que eles confessem alguma coisa”, brincou.

Ele explicou ainda como a ciência, cada vez mais, interfere nos negócios de forma direta. “Com este trabalho, disponibilizo elementos mais apurados que empoderam as lideranças das organizações de forma mais assertiva e minimizando riscos”, destacou. E como não poderia deixar de ocorrer, o cientista falou sobre o Big Data e explicou que é um conceito da tecnologia baseado em três pilares: grande velocidade e volume das informações e em diferentes formas. “Todos estamos gerando dados de alguma forma, seja com nossos smartphones, que poderão registrar nossa localização, os lugares que frequentamos, quantos passos damos diariamente, ou interagindo nas redes sociais”, enfatizou. Cappra ainda destacou o Big Data Social, que é a coleta de dados do comportamento das pessoas em tempo real e a investigação do que eles significam — um dos trabalhos realizados no laboratório Mission Control. “Quando fazemos um post no Facebook, por exemplo, são vários os dados simultaneamente que estão na rede, onde podemos cruzar, fazer descobertas e estabelecer determinados padrões de comportamento”, avaliou.

Com uma trajetória de 25 anos na IBM, Marcelo Violento assumiu, em maio de 2015, o cargo de diretor regional no Rio Grande do Sul, com a missão de expandir os negócios da empresa no estado e ajudar as empresas e o governo da região a inovar por meio de tecnologias, como Cloud, Análise de Dados, Mobilidade, Segurança e Social. No bate-papo, o convidado avaliou a utilização da ciência e da inteligência cognitiva do ponto de vista comercial. Para o executivo, o grande desafio das empresas é identificar qual será o próximo passo do consumidor, após ele realizar uma compra.

Para isso, a IBM criou o Watson, sistema de computação cognitiva que compreende a linguagem natural (falada e escrita) e gera hipóteses baseadas em evidências. O sistema é capaz de processar grandes quantidades de dados e, quanto mais interage e recebe informações, mais aprende e é capaz de gerar hipóteses. Com isso, pode ajudar as empresas a adotar estratégias de negócios mais assertivas. A máquina cognitiva foi projetada em 2007 por uma equipe composta por 30 cientistas. Também tem o título de computador mais potente do mundo, com 15 trilhões de bytes, equivalente a 2,8 mil computadores juntos. Violento acredita que, dentro de cinco a dez anos, cada decisão importante tomada em prol do negócio será extraída de sistemas cognitivos, os quais entendem, aprendem e ampliam o poder de decisão de líderes de empresas. “A IBM investiu neste projeto de criar uma máquina cognitiva para descobrir o que cada empresa precisa e agregar valor, tecnologia e precisão”, afirmou. 

  • Compartilhe:

Quem Escreve?

imagem de Simone Ávila

Simone Ávila

é jornalista pela PUC do Rio Grande do Sul. Foi assessora de imprensa da Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS) e do Ministério Público do Trabalho/RS, este último durante três anos. Atualmente é assessora de imprensa da ESPM Sul e colaboradora de +ESPM.

Relacionados